17.2.10

Under your Spell

"Foi a gota de água!". Todos os dias têm sido assim desde então. Começa a ser desesperante. Ele hoje toma meio comprimido para dormir, na esperança de que o pensamento não lhe roube a paz que tanto deseja. Um pensamento que o assalta todo o dia, mas sabe-se lá porquê, tem tendência para encostar-lhe a faca ao pescoço com mais força assim que se deita. O frio da lâmina na pele mantêm-no acordado. Não há como ignorá-lo. Ele sabe que é assim nestas situações, já aconteceu antes, mas enquanto não disser o que tem para dizer não adianta reter palavras no pensamento. Que nem as tente engolir em seco, a lâmina foi aguçada previamente e corre sempre o risco de se cortar. E quem quer ficar com a cicatriz de algo que prefere esquecer?
Acabará por adormecer de cansaço, resignado com uma luta imaginária que travará em vão consigo mesmo.

Boa noite...

2 comentários:

Cat disse...

No fim das contas vem-se a descobrir que a lâmina afinal era de borracha. E depois ele lamenta ter engolido as palavras que lhe causavam comichão.

Adorei, parabéns!

André disse...

:)