10.3.11

Panorama hoje de manhã

Um despertar bem matinal era absolutamente necessário:

- Janela bem aberta para me obrigar a acordar antes dos pássaros lá fora.
- Um despertador colocado a pelo menos dois metros de distância da cama, no cimo de um armário.
- Telemóvel programado com três alarmes intervalados por cinco minutos, no volume máximo, onde se lia respectivamente: (1) Acorda (2) Acorda! (3) Acorda Cabrão!, também colocado a dois metros de distância do meu alcance.

Toca o despertador... Acordo imediatamente, porque acordar não é o problema, conseguir motivação suficiente que me empurre para fora da cama é que se revela mais complicado. Escondo a cabeça nos lençóis para abafar o som agudo do despertador, e penso por momentos: "Se o ignorar talvez desapareça". Lá me levanto a contragosto, desligo o despertador e pouco depois, para garantir que estou realmente acordado, disparam os alarmes do telemóvel num chinfrim capaz de causar rupturas ao tímpano mais resistente.

Tudo isto não passam de estratégias ridículas, mas realmente eficazes, que garantem a dose de irritação necessária para assegurar que me levanto às horas que planeei. Por outro lado, não pode ser saudável começar assim o dia...

4 comentários:

pedro b disse...

ainda que a muito custo, só consigo que esse processo todo funcione quando é absolutamente necessário. nos outros dias todos, saio da cama depois da hora a que devia estar a entrar no emprego.

André C. disse...

é verdade. por estes lados também só funciona quando absolutamente necessário. quando a minha vida ainda andava relativamente regrada, podia confiar no meu relógio natural, ao ponto de acordar um minuto antes do alarme. hoje, se o faço, sou atraiçoado. lembro-me de numa tentativa de recuperar o ritmo, cheguei a utilizar esta mesma técnica, mas como não existia qualquer compromisso importante além da "resolução" que me destinei, levantava-me, desligava todos os despertadores, e voltava para a cama...

du disse...

pratico essa modalidade desde que me lembro. nasci preguiçoso, para mal dos meus pecados.
habitualmente tenho 3 despertadores: o "oficial", ao lado da cama, o telemóvel no chão perto dos pés da cama e outro na secretária do quarto, ou junto à porta.

bom, um já avariou e não toca. o oficial é desligado à pancada e vai resistindo porque a caixa é de madeira e não plástico, e o telemóvel é o que me levanta mesmo, tocando de 5 em 5 minutos com vários alarmes. claro que toca pelo menos 3 vezes, e com isso passam uns 15 minutos e eu atraso-me na mesma, por muito que me auto-insulte.

(nota: houve tempos em que vi malta ser arrancada dos beliches superiores a meio da noite, talvez seja por isso que me agarro aos lençóis)

André C. disse...

parece-me familiar essa situação. a porra do telemóvel só não levou um murro em cima, porque é um bocado sensível e a minha reacção de manhã não é a mais rápida.

e eu que adoro ver o dia nascer, mas contam-se pelos dedos das mãos as vezes que o faço durante o ano, coisa que só acontece quando, como referi, existe alguma urgência no levantar atempado, ou quando alguma insónia me atinge com mais força do que o habitual. tenho a impressão de que agora já não lhe posso chamar insónia, mas sim um padrão de sono completamente caótico.

"por muito que me auto-insulte" hahaah tenho impressão de que foi das primeiras coisas que fiz hoje, e ontem, e anteontem.

"houve tempos em que vi malta ser arrancada dos beliches superiores a meio da noite, talvez seja por isso que me agarro aos lençóis"
tiveste nalgum quartel ou quê? isso já é quase reflexo condicionado então :)

precisávamos de qualquer coisa que ainda durante o sono nos preparasse para acordarmos.